terça-feira, 27 de junho de 2017

Interior ... do Convento de Santa Clara-a-Velha!

Do interior do convento
(tal como tinha prometido)
trouxemos estes olhares
e pesquisei algumas curiosidades:




“Em 11 de janeiro de 2016
as águas do Mondego
voltaram a inundar o mosteiro,
 inclusive causando perdas
de equipamentos no Centro Interpretativo,
e de documentos.





A EDP deu ordem para abrir
 as comportas da barragem da Aguieira
 devido às fortes chuvas que caíram na região,
 mas este procedimento não foi o mais correto,
 pois a abertura das comportas
 poderia ter sido feita de forma gradual.




Os danos provocados pelas cheias,
em que o nível da água chegou
a atingir os cinco metros,
estimam-se entre 450 mil a 600 mil euros.








O Mosteiro voltou em 13 de fevereiro de 2016
 a ser inundado pelas águas do Mondego.
 Os acessos ao mosteiro e parte do edifício
 gótico foram invadidos por águas
com cerca de metro e meio de altura”.




(Wikipédia)

A seguir iremos conhecer a belíssima
exposição sobre a vida em clausura!

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Em dia de domingo ...


A minha Ana veio passar
o fim de semana à aldeia!
Uma ida à horta e
 muita trincadela!!!
Domingo ... como não choveu
há que regar:


Pepino;
Couve rábano;
Espinafres:


A filha fotografou:


Apanhei e fiz um creme
de legumes
ao qual adicionei:


Abóbora e pimentos
a crescerem:


As phisálys estão no ponto:


Alfaces e couves
há sempre na horta:


Feijão verde ... bastante!


As curgetes estão a acabar:


Pepinos em abundância:


Tomates ... de várias qualidades:


A fruta adocica e os pássaros
e bichinhos ... atacam:


Estes dois foram diretos
ao estômago pois adoro
comer tomate colhido na hora!



E não resisti a partilhar:




domingo, 25 de junho de 2017

Nos claustros do convento ...

Pesquisei:

"A vida do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha
em Coimbra ... ficou marcada,
ao longo dos séculos,
 por sucessivos alagamentos provocados
 pelas cheias do Mondego,
 o primeiro dos quais já em 1331,
um ano após a consagração do templo,
que anunciou uma difícil convivência com as águas.


 A solução encontrada ao longo dos séculos
 foi o sucessivo alteamento do piso térreo
até que, no século XVII as religiosas
 se viram forçadas a construir um piso superior
ao longo do templo e a desocupar o inferior,
o que sucedeu igualmente
nas demais dependências do Mosteiro.



Abandonado definitivamente pela
 comunidade de religiosas em 1677,
o antigo mosteiro passou a ser
conhecido como Santa Clara-a-Velha.




Após o abandono,
o mosteiro e o seu entorno
deram lugar a uma exploração agrícola,
 passando a parte superior do convento a ser utilizada
 como habitação, palheiro e currais."













Vamos conhecer o interior ... a seguir: